Autor

Redação

A navegação

Redação – Paraná Portal
Foto: Divulgação/SMCS

SMS (Secretaria Municipal da Saúde) registrou mais 16 mortes e 301 casos novos de covid-19 em Curitiba. O boletim do coronavírus foi atualizado nesta sexta-feira (24).

As vítimas mais recentes eram oito homens e oito mulheres, com idades entre 29 e 91 anos. Quatro pessoas tinham menos de 60 anos.

Com os dados atualizados, a capital agora acumula 291.317 diagnósticos positivos e 7.497 mortes por complicações da covid-19.

Segundo a pasta, Curitiba tem reconhecidamente 4.856 casos ativos de coronavírus. São contados apenas os pacientes cujo diagnóstico foi confirmado por exames laboratoriais.

Desde o início da pandemia, 278 mil pessoas foram liberadas do período de isolamento obrigatório e não manifestam mais sintomas, sendo considerados “pacientes recuperados”.

OCUPAÇÃO DOS LEITOS

De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, a taxa de ocupação dos leitos de UTI do SUS para covid-19 é de 54%. Entre as 302 vagas, restam 139 livres.

Em relação aos leitos clínicos, em enfermarias, existem 145 vagas entre as 302 reservadas para pacientes com coronavírus, o que representa uma taxa de ocupação de 52%.

COVID-19 EM CURITIBA

  • Mortes: 7.497 (+ 16)
  • Casos confirmados: 291.317 (+ 301)
  • Casos ativos: 4.856
  • Recuperados: 278.964

Redação – Paraná Portal
Foto: Arquivo/EBC

A Sanepar divulgou nesta sexta-feira (24) a tabela de rodízio no abastecimento de água em Curitiba e mais 13 cidades da Região Metropolitana até 09 de outubro. Ela foi alterada nos dias 26 e 27 de setembro em razão de obras para melhorar o sistema de abastecimento.

Desde o mês de agosto, o modelo de rodízio em operação é de 36 horas de abastecimento e até 36 horas de suspensão no fornecimento de água.

No site da Sanepar, é possível consultar a programação do rodízio por endereço. Clientes que atualizaram seu cadastro também recebem por SMS a programação do rodízio para sua região.

Nesta sexta-feira (24), o nível médio dos reservatórios que compõem o Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC) está em 50,36%.

O nível de cada barragem está em: Iraí (37,35%), Passaúna (58,33%), Piraquara I (59,41%) e Piraquara II (58,39%).

Redação – Paraná Portal
Foto: José Fernando Ogura/AEN

O Paraná vai receber na amanhã (24) um lote com 99.450 doses de vacinas contra a covid-19 para imunizar adolescentes com comorbidades e deficiência permanente. São doses da Pfizer, a única com autorização da Anvisa para uso nessa faixa-etária.

O envio foi confirmado hoje (23) pelo Ministério da Saúde. Dois aviões devem trazer as doses vacina ao Paraná, nesta sexta-feira (24), entre 18h40 e 19h10. Será o primeiro envio da pasta destinado exclusivamente para a imunização de jovens.

O lote foi confirmado pelo secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, que recebeu a comitiva da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde do Paraná) que esteve em Brasília para pedir atenção à importância de vacinar adolescentes.

Além da notícia de que as doses de vacina seriam enviadas com essa finalidade, os membros da comitiva ouviram da pasta federal que, após a inclusão dos adolescentes no PNI (Programa Nacional de Imunizações), pautas específicas serão destinadas a esse grupo.

Mesmo sem aval do Ministério da Saúde, o Paraná já havia anunciado o plano de vacinar adolescentes com ou sem comorbidades.

“O Paraná sempre teve uma posição muito clara sobre a vacinação dos adolescentes, de que todos devem ser imunizados, não apenas aqueles com comorbidades ou deficiência”, afirmou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

“Por isso estamos dialogando com muito respeito com o Ministério da Saúde para que possamos acelerar a campanha e também garantir a cobertura vacinal de todos os paranaenses, inclusive com a segunda dose e dose de reforço. Os adolescentes sem comorbidades agora foram incluídos, mostrando que estamos no caminho certo”, completou.

VACINA PARA TODOS

Além do envio de doses de vacina voltadas aos adolescentes com comorbidades e deficiência permanente, o Ministério da Saúde vai enfiar outros lotes para o Paraná nos próximos dias.

O Estado vai receber 69.030 doses da Pfizer para reforço dos imunossuprimidos que já fecharam o esquema vacinal há mais de seis meses. Além disso, estão previstas 129.870 doses da mesma fabricante para a segunda dose.

Por fim, também com previsão de chegada na sexta-feira (23), o Paraná vai receber 55.250 doses de vacina da AstraZeneca, produzidas pela Fiocruz, para completar o esquema vacinal de quem já tomou a primeira dose.

Redação – Paraná Portal
Foto: Divulgação

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) vai fazer um leilão nas próximas semanas de 75 veículos apreendidos que estão em pátios no interior do Paraná. O leilão de sucatas aproveitáveis acontece no sábado (25) e o dos veículos propriamente ditos no dia 2 de outubro. Após o investimento, as apreensões podem voltar a circular normalmente.

“Para circular é preciso que o veículo seja transferido e o prazo para isso não é curto, demora de 60 a 90 dias entre a compra e a possibilidade de transferir para o nome. Entretanto, o leiloeiro e a PRF liberam o veículo para o arrematante ir arrumando o que precisar e fazer reparos necessários, com todo tempo disponível antes”, explica o responsável pelo pregão, o leiloeiro público oficial Helcio Kronberg.

Entre os veículos disponíveis em destaque estão um Honda City 2011, com lance inicial de R$ 18 mil, um Citroen C4 de 2010, a partir de R$ 17 mil, e um Hyundai Santa Fé V6 2008, com lance inicial de R$ 5 mil.

Ambos os leilões têm início às 10 horas, de maneira on-line. Porém os lances já podem ser ofertados no site kronbergleiloes.com.br.

Quem tiver interesse pode visitar os veículos nos seguintes endereços no estado:

  • Ponta Grossa: Av. Souza Naves, S/N (BR 373 – Km 183)
  • Irati: BR-277, km 245
  • Tibagi: Km 412 (Trevo Reserva/PR) – Bairro: Caetano Mendes
  • Guarapuava: Rod. BR 277, S/N – Km 349 e BR 277, km 319

Desde o início da campanha de vacinação contra o novo coronavírus, a SMS (Secretaria Municipal da Saúde) de Curitiba imunizou um total de 1.420.928 pessoas com a primeira dose da vacina contra a covid-19 ou com o imunizante de dose única (Janssen) até quarta-feira (22/9).

Já são 1.382.851 curitibanos que receberam a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus. Desse total, foram vacinados:

  • 862.523 pessoas da população em geral (convocadas por idade);
  • 213.551 idosos com 65 anos ou mais; 116.861 pessoas com comorbidades;
  • 13.344 gestantes e puérperas; 8.208 pessoas com deficiência;
  • 82 indígenas; 1.141 pessoas em situação de rua;
  • 7.011 moradores, funcionários e cuidadores de instituições de longa permanência;
  • 97.903 profissionais dos serviços de saúde da cidade (incluindo as equipes de vacinação);
  • 16.360 trabalhadores das forças de segurança;
  • 42.594 educadores (entre professores e trabalhadores da Educação Básica e Ensino Superior)
  • 1.252 trabalhadores da limpeza pública.

MAIS DE 800 MIL PESSOAS TÊM IMUNIZAÇÃO COMPLETA EM CURITIBA

Em Curitiba, 830.672 pessoas receberam a segunda dose da vacina até quarta-feira (22/9) e outras 38.077 pessoas receberam a vacina em dose única, completando esquema vacinal anticovid.

O município também está aplicando as doses de reforço para idosos de 70 anos ou mais que já completaram o ciclo de imunização e pessoas imunossuprimidas que completaram esquema vacinal anticovid. Até ontem, 17.301 pessoas receberam a dose de reforço.

A cidade já aplicou 2.268.901 unidades da vacina anticovid – primeira, segunda doses, dose única e dose de reforço. Ao todo, 97,8% da população de Curitiba acima de 18 anos já receberam ao menos uma dose e 59,8% da população acima de 18 anos de idade foram vacinadas com as duas doses ou a vacina de dose única, concluindo o esquema de imunização contra o novo coronavírus.

DOSES RECEBIDAS

Até o momento, Curitiba recebeu do Ministério da Saúde, repassadas pelo Governo do Paraná, 2.593.864 doses de vacinas, sendo 1.529.218 para primeira dose, 1.025.671 para segunda dose e 38.975 doses de aplicação única. Nesse montante já estão contabilizados os 5% de reserva técnica.

A reserva técnica é uma medida de segurança, faz parte dos protocolos da logística e é necessária para evitar problemas no fluxo de imunização que possam ser causados por imprevistos eventuais, como por exemplo, quebra acidental de frascos.

O município tem capacidade para vacinar até 30 mil pessoas por dia e o avanço do cronograma de imunização ocorre à medida que as doses são enviadas pelo Ministério da Saúde ao governo estadual, responsável por distribuir os lotes do imunizante aos municípios.

Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil
Rovena Rosa/Agência Brasil

Com exceção do Espírito Santo e do Distrito Federal, onde foi observado crescimento, entre 13 e 20 de agosto, a edição extra do Boletim Observatório Covid-19 Fiocruz reforçou a tendência de queda no indicador de ocupação de leitos da doença para adultos. Conforme a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), “o indicador continua apresentando sinais de queda ou estabilização no país”. Os dados obtidos em 20 de setembro, indicam que nenhum estado está na zona crítica, com taxa superior a 80%.

Embora tenha registrado crescimento de 29% para 50%, no indicador, o Amazonas permanece fora da zona de alerta. A explicação é que a variação está relacionada a uma redução no número de leitos disponíveis. Já para o Distrito Federal, que também teve alta de 55% para 66%, o motivo pode ser o gerenciamento de leitos nesta unidade federativa.

Segundo os pesquisadores do Observatório, responsáveis pelo Boletim, o Espírito Santo e o Distrito Federal estão na zona de alerta intermediário, com taxas, respectivamente, de 65% e 66%, enquanto os outros estados estão fora da zona de alerta. “A redução paulatina de leitos continua sendo observada, e, na última semana, foram registradas quedas nos leitos de UTI Covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS) no Amazonas, Pará, Tocantins, Maranhão, Pernambuco, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Distrito federal”, relataram.

Ocupação de leitos de covid-19 nas capitais

A capital Boa Vista registrou melhora nos números de ocupação de leitos  com a redução de 76% para 58%. Ela é a cidade que tem leitos de UTI covid-19 no estado de Roraima. Em Curitiba, o índice passou de 64% para 58%. Esses resultados deixaram os dois municípios na zona de alerta. A cidade do Rio de Janeiro variou de 82% para 75% e saiu da zona de alerta crítico para intermediário. Vitória, no entanto, observou piora expressiva passando de 55% para 65%.

Os pesquisadores destacaram que como têm repetido, mesmo com a melhoria dos indicadores, ainda é preciso ter cautela e manter cuidados como o uso de máscaras e algumas medidas de distanciamento físico. Defenderam ainda a aceleração e a ampliação da vacinação entre adultos que não se vacinaram ou não completaram o esquema vacinal, entre idosos que requerem a terceira dose e entre adolescentes. “Neste contexto, o passaporte vacinal é uma política de proteção coletiva e estímulo à vacinação”, indicaram.

Na visão dos pesquisadores, após a fase aguda da pandemia, o país precisa se preparar para o enfrentamento da covid-19 a médio e longo prazo. Isso inclui “considerar o passivo assistencial durante a pandemia, que é de elevada magnitude e exige que o sistema de saúde se organize para dar respostas eficientes, como também a continuidade do uso de máscaras e de certas medidas de distanciamento físico, frente à perspectiva de se conviver com a covid-19 como uma doença endêmica por um longo período”.

Registros de casos no sistema e-SUS, segundo boletim da Fiocruz

Os pesquisadores do Observatório alertaram para a elevação abrupta no número de casos de covid-19 notificados no sistema e-SUS, registrada na Semana Epidemiológica (SE) 37, entre 12 e 18 de setembro. A alta é resultado da inclusão de registros que estavam retidos, o que impactou, principalmente, os estados do Rio de Janeiro e de São Paulo. “Entretanto, apesar desses dados novos terem contribuído para o aumento da média nacional de casos, não podem ser considerados como uma reversão de tendência de queda na pandemia”, analisaram.

A alteração repentina contribuiu para o aumento da média nacional de infectados, mas conforme os pesquisadores, não representa uma reversão da tendência de melhora nos índices da pandemia. Esta avaliação é relativa ao período da SE 37. “Esse episódio serve como alerta para questões importantes relacionadas ao fluxo e oportunidade dos dados e suas consequências para a tomada de decisão. O atraso na inclusão dos registros relacionados às semanas anteriores contribuiu para uma subestimação dos indicadores de transmissão da doença e de casos, principalmente nesses estados, tendo como um dos resultados possíveis a flexibilização de medidas sem respaldo em dados”, avaliaram os pesquisadores.

Mesmo assim, os valores computados de outros indicadores da pandemia, empregados pelo Observatório Covid-19 da Fiocruz, apontaram que os registros relacionados à transmissão se mantêm em queda, como a positividade de testes, a incidência de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), a mortalidade e a ocupação de leitos de UTI.

De acordo com o estudo, “o real impacto da doença foi subestimado, principalmente no Rio de Janeiro e em São Paulo, porque o volume de casos deveria ter sido computado em semanas anteriores e medidas de flexibilização foram adotadas sem respaldo estatístico. O país perdeu a oportunidade de identificar locais e grupos de risco. A confirmação de casos suspeitos e o rastreamento de contatos foram também impactados”, observaram.

Redação – Paraná Portal
Foto: Lucilia Guimarães/SMCS

Todas as 140 mil crianças da rede municipal de ensino de Curitiba podem frequentar as escolas e CMEIs (Centros Municipais de Educação Infantil) a partir da próxima segunda-feira (27). O uso de máscaras, higienização das mãos e demais cuidados são obrigatórios e vão continuar mesmo com as aulas presenciais, para o controle da transmissão de covid-19.

Graças à redução do índice de contaminação na cidade, à vacinação dos profissionais da educação e ao baixo número de casos de covid-19 nas 415 unidades, a Secretaria Municipal da Educação decidiu extinguir o modelo híbrido (que alternava semanalmente os grupos A e B nas unidades) e retomar o atendimento presencial diariamente para todos que optarem pelo formato presencial.

A secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila, explica que quem está no formato híbrido passará automaticamente para o presencial, e os do remoto seguem nesse formato, com as videoaulas da TV Escola Curitiba e os kits pedagógicos.

Os pais que quiserem mudar de formato devem comunicar à direção da unidade onde a criança está matriculada.

“Não teremos mais o híbrido. Haverá a opção do remoto, pela TV Escola Curitiba, e a opção do presencial, todos os dias na escola”, destaca a secretária.

Depois de um ano e meio de pandemia do novo coronavírus em Curitiba, o retorno diário valerá para as 415 unidades de ensino –185 escolas municipais e 230 CMEIS.

O retorno presencial teve início em 19 de julho, nas unidades com o programa Leia+, e na sequência, em agosto, alternando os grupos A e B.

A secretária esclarece que a decisão de retomar o formato 100% presencial leva em conta os resultados do monitoramento feito desde o retorno às aulas no formado híbrido.

Ao longo desse período, foram avaliados o cumprimento efetivo dos protocolos sanitários e o baixo número de casos confirmados da covid-19 entre profissionais, crianças e estudantes.

Todas as unidades receberam os equipamentos e cuidados necessários para um retorno seguro. Máscaras, face shields, totens de álcool em gel, tapetes sanitizantes, serviços de sanitização e periodicamente é feita a entrega de produtos de higienização.

PAIS DOS ESTUDANTES DAS ESCOLAS DE CURITIBA PODEM ESCOLHER

Enquanto durar a pandemia do novo coronavírus, a Secretaria da Educação vai manter os dois formatos de atendimento – presencial e remoto – para que os pais e responsáveis escolham o que consideram mais adequado à família.

Redação – Paraná Portal
Foto: Divulgação/PRF

Um grave acidente envolvendo carros e caminhões deixou pelo menos dois mortos na Rodovia do Xisto, na região metropolitana de Curitiba. O engavetamento aconteceu na tarde desta quarta-feira (22).

De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), o acidente aconteceu na altura do quilômetro 165 da BR-476, no trecho entre Lapa e Contenda.

Segundo informações preliminares, pelo menos três caminhões e cinco carros se envolveram no engavetamento.

Duas mortes foram confirmadas no local. O número total de feridos ainda não foi informado. Equipes de resgate prestam apoio à Polícia Rodoviária Federal e à concessionária responsável pelo trecho.

Karine Melo – Repórter da Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Com o prazo apertado para mudanças nas regras paras eleições de 2022 , a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou, em votação simbólica nesta quarta-feira (22), o relatório da senadora Simone Tebet (MDB-MS) à proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma eleitoral (PEC 28/2021).

No Senado, a estratégia é promulgar apenas os pontos consensuais dentre os aprovados pela Câmara em agosto. A manobra impede um eventual retorno do texto para a Câmara. O principal ponto que ficou de fora do texto foi a volta das coligações partidárias em eleições proporcionais, extinta na reforma eleitoral de 2017, mas que havia sido reintroduzida pelos deputados.

“A coligação nas eleições proporcionais é objeto de crítica e tentativa de supressão nas duas Casas do Congresso Nacional desde a década de 1990”, justificou Tebet no documento. Para ela, a volta das coligações seria inconstitucional.

Ainda na avaliação da relatora, as coligações partidárias em eleições proporcionais, nas quais são escolhidos representantes para as câmaras de vereadores, assembleias legislativas e para a dos Câmara dos Deputados, são uma “dissonância” quando confrontadas com o sistema eleitoral proporcional previsto no artigo 45 da Constituição.

O que foi provadona Câmara e rejeitado na CCJ do Senado na PEC da reforma eleitoral

Outro ponto aprovado na Câmara e rejeitado pela CCJ do Senado é o que flexibiliza a participação popular nas proposições apresentadas ao Congresso. A PEC encaminhada aos senadores estabelece que 100 mil eleitores podem apresentar um projeto de lei à Câmara dos Deputados com assinatura eletrônica.

Pelas regras atuais, um projeto de lei de iniciativa popular deve ter a assinatura em papel de, no mínimo, 1% do eleitorado nacional, distribuído em pelo menos cinco estados, com não menos de 0,3% dos eleitores em cada um deles.

O texto também definia que os projetos de lei de iniciativa popular tramitariam em regime de prioridade e deveriam ser apreciados conforme regras específicas a serem incluídas nos regimentos do Senado e da Câmara.

Para Simone Tebet, é preciso debater mais sobre a questão. Ela ponderou que “a dinâmica das redes sociais não está ainda suficientemente conhecida e regulamentada” e, portanto, a alteração poderia abrir caminho para fraudes e pautas que podem “desvirtuar a essência democrática das propostas oriundas da vontade popular”.

Sob o argumento que o texto proposto pelos deputados poderia inviabilizar todo trabalho de interpretação e adequação das normas vigentes por parte do Judiciário, os senadores rejeitaram a exigência de que decisões jurisdicionais ou administrativas do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre o processo eleitoral fossem tomadas um ano antes para que valessem para o pleito seguinte. Hoje, esse princípio da anualidade vale para alterações feitas pelo Congresso.

Consenso entre deputados e senadores

Já entre os pontos aprovados pelos deputados e que seguem para o plenário do Senado figura a contagem em dobro dos votos dados a candidatos negros, índios e mulheres para efeito da distribuição dos recursos dos fundos partidário e eleitoral nas eleições de 2022 a 2030.

Pelo texto, o partido que incorpora outras siglas também não será responsabilizado pelas punições aplicadas aos órgãos partidários regionais e municipais e aos antigos dirigentes do partido incorporado, inclusive as relativas à prestação de contas.

Outro ponto consensual trata da constitucionalização das regras de fidelidade partidária. Pela proposta, deputados e vereadores que se desligarem do partido perdem o mandato, salvo nos casos de justa causa nos termos da lei e anuência do partido.

Durante as discussões, a relatora Simone Tebet voltou atrás e decidiu acolher, de forma oral, uma mudança já prevista pelos deputados, que altera a data das posses de presidente da República e governadores para os dias 5 e 6 de janeiro, respectivamente. Hoje, essas cerimônias ocorrem no dia 1º de janeiro.

Para que uma mudança na redação do texto enviado pela Câmara não implique no retorno da PEC à análise dos deputados, parte das emendas apresentadas por senadores, entre elas a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), de paridade entre sexos nas chapas para presidente e vice-presidente e governador e vice-governador deverá ser destacada, passando a tramitar como projetos autônomos.

O mesmo ocorreu com uma emenda do senador Álvaro Dias (Podemos-PR) para contemplar também o Senado Federal nas exigências relativas à quantidade de cadeiras obtidas pelo partido político para ter acesso aos recursos públicos condicionados à expressividade eleitoral da agremiação, mínimo de cinco senadores.

Votação da PEC da reforma eleitoral no plenário

Segundo o presidente da CCJ, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco ( DEM-MG), se comprometeu a pautar a matéria para a tarde de hoje na sessão plenária.

Para que estejam em vigor já nas próximas eleições, as alterações precisam ser votadas até um ano antes do pleito, ou seja, até 2 de outubro. Por se tratar de uma alteração na Constituição, a proposta precisa ser aprovada em dois turnos por, pelo menos, 49 senadores.

BandNews FM Curitiba
Foto: Google Street View

Armas, drogas e munições foram apreendidas com policiais civis investigados pelo Ministério Público do Paraná, nesta quarta-feira (22). A operação, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), cumpriu 13 mandados de busca e apreensão em Curitiba e municípios da região metropolitana. A notícia foi veiculada pelo site da BandNews FM Curitiba.

As investigações apuram fatos denunciados em agosto de 2020 e fevereiro de 2021. A informação é de que integrantes da Delegacia de Campina Grande do Sul teriam exigido vantagens indevidas para liberação de um veículo apreendido, além de pagamento de propina para que não fossem adotadas medidas legais cabíveis contra os responsáveis por uma festa clandestina, em descumprimento às restrições decorrentes da pandemia do coronavírus. Os alvos da ação desta quarta-feira foram oito pessoas e uma empresa.

Investigação sobre policiais tem mandados em sete cidades

Os mandados foram cumpridos em Curitiba, Quatro Barras, Colombo, Campo Magro, Rio Branco do Sul, Morretes e Campina Grande do Sul. Os suspeitos são investigados pelos crimes de corrupção e concussão – quando um ocupante de um cargo público se utiliza da função para exigir alguma vantagem. Além disso, também são apurados outros delitos contra a administração pública e, ainda, a lavagem de dinheiro.

A operação do Gaeco foi em conjunto com a Corregedoria-Geral da Polícia Civil, Instituto de Criminalística e o Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). As investigações duraram cerca de quatro meses. Neste período, os policiais envolvidos foram transferidos para a Delegacia de Rio Branco do Sul. Na delegacia de Campina Grande do Sul permaneceu apenas um estagiário – que também é investigado. Ele é suspeito de ter recebido R$ 10 mil como propina, por parte de uma das vítimas do grupo.