Bombando

Bolsonaro disse em reunião que é fácil impôr ditadura no Brasil


O vídeo da reunião interministerial do dia 22 de abril, que teve autorização divulgada pelo ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), mostra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falando que é fácil impôr uma ditadura no Brasil.

“É fácil de impor uma ditadura aqui. Por isso que eu quero que o povo se arme. Um bosta de prefeito faz uma bosta de decreto e algema.  Se tivesse armado, ia para rua. Se eu fosse ditador, queria desarmar”, disse Bolsonaro.

Além disse, disse que toda a população tem que respeitar seus valores.

“Quem não aceitar as minhas maneiras: família, Deus, Brasil, armamento, liberdade de expressão, livre mercado. Quem não aceitar, está no governo errado. Espere para 22, ter Álvaro [Dias], [Fernando] Haddad, Lula e vai ser feliz com eles. É escancarar. Eu quero todo mundo armado. Povo armado jamais será escravizado”, completou Bolsonaro.

O vídeo é visto como peça-chave no inquérito que investiga uma suposta interferência de Bolsonaro no comando da PF (Polícia Federal), conforme acusações do ex-ministro Sergio Moro.

BOLSONARO XINGA GOVERNADORES E WEINTRAUB PEDE PRISÃO PARA MINISTROS DO STF

Durante a reunião de ministros, o presidente Jair Bolsonaro também xingou os governadores João Doria (PSDB), de São Paulo, e Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro por causa do combate ao coronavírus. Além disso, também citou o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB). Na visão do presidente, Estados e municípios adotaram medidas muito rígidas no combate à Covid-19.

“Eles querem a nossa hemorroida. Esse boss** do governador de SP. Esse estrume do Rio. O b**** do prefeito de Manaus abrindo covas coletivas”, disse Bolsonaro.

Na reunião, também aparece o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disparando contra a política em Brasília e pedindo prisão para os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando pelo STF“, disse Weintraub, também criticando os governadores.

Por fim, o ministro da Educação afirmou que o povo está perdendo a liberdade.

“Tive uma visão ruim de Brasília. As pessoas aqui perdem a percepção, a empatia com o povo. Odeio partido comunista. Odeio o termo povos indígenas. Só um povo nesse país. Pode ser preto, branco, japonês, mas tem que ser brasileiro. Só pode ter um povo. Não pode ter ministro que acha que é melhor que é um cidadão”, completou Weintraub.

Vinicius Cordeiro – Paraná portal

Escreva um comentário