Category

Cidades

Category
Redação – Paraná Portal
Foto: Reprodução/TV Tarobá

Tomou posse na manhã de hoje (13), por videoconferência, o vereador reeleito em Alvorada do Sul, no norte do Paraná, mesmo estando preso por tráfico de drogas. Diogo Canata foi empossado virtualmente, durante transmissão em vídeo direto da cadeia de Bela Vista do Paraíso.

Os demais vereadores eleitos foram empossados no dia 1º de janeiro, como determina o rito da Câmara Municipal de Alvorada do Sul. Diante da situação inédita e sem previsão no regimento interno, o presidente da Casa aguardou o posicionamento da Justiça Eleitoral.

Diogo Canata foi preso em julho de 2020, acusado pelo Ministério Público de ser o chefe do tráfico de drogas do município. Apesar disso, ele foi o quarto mais votado nas Eleições Municipais 2020, o suficiente para conquistar uma das nove cadeiras do Legislativo.

“Eu sou vereador há três mandatos. Eu fiz um trabalho muito bom no município e eu sempre contribuí para a população. Está aí, demonstrado, que a democracia foi feita. A população tem o direito de votar e me elegeu”, disse Canata à TV Tarobá.

Ele nega envolvimento com tráfico de drogas. “[Na minha casa] não foi encontrado nada. Em momento algum acharam drogas ou armas. Arma até acharam uma. Mas é uma arma registrada, que eu tenho há oito anos. Não tenho nada a ver com isso”, disse ele.

A definição deve ocorrer nos próximos dias. Enquanto Diogo Canata estiver preso, um suplente deve ocupar o posto. Conforme orientação do TCE-PR (Tribunal de Contas do Estado do Paraná), em casos como esse o pagamento de salários deve ser suspenso.

Detido quatro meses antes da realização das Eleições Municipais 2020, o vereador preso ainda não foi condenado, e por isso não teve os direitos políticos cassados. Ele foi alvo de uma operação da Denarc (Divisão Estadual de Narcóticos), que encontrou na cada dele armas e 30 kg de crack.

Além de ser apontado como chefe do tráfico de drogas de Alvorada do Sul, Diogo Canata é suspeito de fornecer armas para atentados contra a Polícia Militar e de outros crimes, como lavagem de dinheiro e prática de agiotagem.