Terras paranaenses

O preço das terras aptas para atividades agropecuárias teve elevação superior a 50% no período de um ano no Paraná. O resultado é influenciado, sobretudo, pela valorização da produção gerada. A análise publicada pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, é tema do Boletim de Conjuntura Agropecuária referente à semana de 01 a 07 de maio. As terras da Classe A-III, que, pelo Sistema de Classificação de Solos da Embrapa, são aquelas aptas ao cultivo de grãos, apresentaram valor médio de R$ 58,9 mil o hectare este ano. Isso representa aumento de 52% ante os R$ 38,9 mil que foram levantados em março de 2020. No caso das terras B-VI, que são aquelas ocupadas mais por pastagens e silvicultura (cultivo de florestas para produção de madeiras e outros derivados comerciais), o incremento de valor chegou também a 52%. No prazo de um ano, passou de R$ 20,1 mil o hectare para R$ 30,6 mil.


Importações movimentam porto

As importações puxaram a movimentação de cargas pelos portos do Paraná no primeiro quadrimestre do ano. Com altas significativas na descarga de produtos dos segmentos de Carga Geral e Granéis Sólidos, os terminais de Paranaguá e Antonina movimentaram 18.262.189 toneladas, de janeiro a abril. Do volume total, entraram no Brasil 7.444.115 toneladas de cargas estrangeiras em 2021. No ano passado, foram 6.628.630 toneladas. As compras de produtos diversos, que chegam em contêiner, por exemplo, cresceram 25%. Nos granéis sólidos, destaque para o desembarque de malte e cevada, que cresceu 21%, e de fertilizantes, 12%. Os fertilizantes representaram cerca de 43% do total de produtos importados através dos Portos de Paranaguá e Antonina.

Indústria cervejeira

Em menor volume, mas em maior percentual de aumento na comparação dos períodos de 2021 e 2020, a descarga de malte e cevada somou 234.977 toneladas neste ano. Os produtos são utilizados como matéria-prima da indústria cervejeira e tiveram 21% de alta na comparação com o primeiro quadrimestre do ano passado, quando foram 193.560 toneladas importadas. Considerando a movimentação apenas no último mês de abril, o aumento registrado na importação chegou a 2.511%. Enquanto em abril de 2020 foram importadas 2.998 toneladas de cevada e malte; este ano, no mês, foram 78.260 toneladas.

Copel em Ponta Grossa

A Copel colocou em operação o segundo transformador de 225 megavolt-amperes (MVA) de potência na subestação Ponta Grossa Sul, concluindo um importante projeto de reforço no sistema de transmissão de energia da região central do Paraná, três meses antes do prazo estabelecido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A obra recebeu recursos da ordem de R$ 24 milhões. A subestação Ponta Grossa Sul opera em 230 mil Volts (kV) e teve o primeiro transformador de 225 MVA energizado em março deste ano. Esses são os primeiros transformadores trifásicos desse porte que a Copel coloca em operação no Paraná e eles estão entre os maiores do país. Equipamentos semelhantes serão instalados nas subestações Pato Branco, ainda em 2021, e Guaíra, em 2022 – somando mais R$ 66 milhões em investimentos.

Banco do Agricultor Paranaense

Com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas relacionadas ao programa Banco do Agricultor Paranaense, lançado pelo governador Ratinho Júnior no dia 27 de abril, no Palácio Iguaçu, o Sistema Ocepar realizou, na última quinta-feira, 6, uma live do Fórum Técnico com as presenças do secretário da Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, do vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley, do diretor de operações privadas do Banco de Fomento do Paraná, Renato Maçaneiro, e do diretor da Secretaria de Políticas Agrícolas, do Ministério da Agricultura, Wilson Vaz. Durante duas horas, mais de 170 lideranças cooperativistas de diversos ramos de atuação e entidades parceiras puderam esclarecer as principais dúvidas a respeito do programa e como as cooperativas podem realizar empréstimos para investimentos, em especial nas áreas de energias renováveis e irrigação.

Café paranaense

A estiagem prolongada nos últimos meses, agravada pelas altas temperaturas e chuvas escassas, vem preocupando os cafeicultores nos quase 7 mil hectares de café atendidos pela Capal Cooperativa Agroindustrial. A safra de café 2020/2021 evoluía satisfatoriamente por conta dos bons índices pluviométricos alcançados desde o ano passado, mas a tendência foi interrompida entre os meses de fevereiro e março, quando foi registrada a última chuva significativa da região. De acordo com dados do Simepar (Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná), o mês de abril apresentou o maior índice de seca dos últimos 23 anos (desde 1998) em diversas cidades do Paraná.

Produção de milho

A estiagem que marcou o mês de abril em grande parte do Centro-Sul do Brasil se agravou na primeira semana de maio, de acordo com levantamento da AgRural. Esse fato, aliado às previsões de continuidade do tempo seco, levou a consultoria a fazer um novo corte em sua estimativa de produção na safrinha 2021 de milho, que foi revisada na semana passada para clientes. Projetada em 73 milhões de toneladas em boletim divulgado em 19 de abril -quando foi feito um corte de 2,4 milhões de toneladas em relação a março-, a produção do Centro-Sul é estimada agora em 65,1 milhões de toneladas. O número baseia-se em área de 12,9 milhões de hectares, volume 6% superior à do ano passado e inalterada na comparação com abril e em produtividade média de 84,1 sacas por hectare – a menor desde 2018.

Ovos para o Butantan

O Instituto Butantan demandará milhões de ovos para produzir a ButanVac, nova vacina contra a Covid-19. No final do mês passado, a entidade recebeu o primeiro lote de 520 mil ovos. A expectativa é de que sejam fabricadas 1 milhão de doses a partir de cada lote e ter no mínimo 18 milhões de doses prontas já em 15 de junho. Com a perspectiva de produzir 40 milhões de doses neste ano, a demanda pode chegar a 20 milhões de ovos. “O Butantan já solicitou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorização para iniciar os testes da ButanVac em humanos e está em processo de fornecer documentos adicionais. As doses já em produção no Instituto serão armazenadas e fornecidas à população somente após a autorização da Anvisa, o que deve acontecer no segundo semestre”, diz o instituto.

IPC-S acelera

O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) acelerou a 0,33% na primeira quadrissemana de maio, depois de fechar abril com taxa de 0,23%. A informação foi divulgada pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador acumula alta de 7,47% em 12 meses, maior do que o avanço de 6,54% no período até abril. Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, quatro registraram aceleração da última quadrissemana de abril para a primeira de maio, com destaque para Habitação, que saltou de 0,21% para 0,56%. O item que puxou a alta foi tarifa de eletricidade residencial, a 1,23%, após -0,45% em abril. Alimentação (0,32% para 0,45%), Saúde e Cuidados Pessoais (1,07% para 1,13%) e Educação, Leitura e Recreação (-0,75% para -0,69%) também apresentaram acréscimo na taxa de variação.

Perspectiva de crescimento

O mercado ajustou suas projeções para a economia brasileira e passou a ver maior crescimento tanto neste ano quanto no próximo, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central na última segunda-feira,10. A estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 agora é de 3,21%, contra 3,14% na semana anterior. Para 2022, a conta melhorou em 0,02 ponto percentual e passou para 2,33%. Para a inflação, os especialistas consultados no levantamento semanal veem alta do IPCA de 5,06% este ano, de 5,04% antes, mantendo a expectativa de uma taxa de 3,61% no ano que vem. Ambas as projeções ficam acima do centro da meta oficial, que é de 3,75% para este ano e de 3,50% para 2022, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Minério de ferro

Os futuros do aço e do minério de ferro de referência na China tocaram máximas históricas na última segunda-feira, 10, em meio a uma demanda robusta e preocupações com a oferta, além de expectativas de alta na inflação que também ajudaram a alimentar compras especulativas. Os futuros mais ativos do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, para entrega em setembro, saltaram 10%, para máxima recorde de 1.326 iuanes (US$ 206,30) por tonelada. Na bolsa de Cingapura, o contrato junho do minério de ferro subiu 9,5%, para US$ 224,65 por tonelada. A Associação de Comércio Exterior do Brasil estima que as receitas com exportações de minério de ferro do Brasil deverão crescer cerca de 60% em 2021 ante o ano passado, para US$ 41,25 bilhões de dólares, com a commodity mineral desbancando a soja da liderança do ranking em geração de divisas do país após seis anos.

Escreva um comentário