Redação – Paraná Portal
Foto: Arquivo/Divulgação/Govsp

A mortalidade de adultos com idades entre 40 e 49 anos, vítimas da covid-19, aumentou em todo o Brasil. A mudança é um dos fatores que pressionam o sistema integrado de saúde. Em quatro meses, foram registrados mais de 19.006 óbitos neste grupo, ante 12.195 mortes em todo o ano de 2020.

Segundo dados do Portal da Transparência dos Cartórios de Registro Civil do Brasil, o total de mortes registradas no primeiro quadrimestre já supera o primeiro ano da pandemia do coronavírus em 55%.

Em 2021, cresceu o número de jovens a adultos infectados. Esses grupos estão mais expostas à contaminação, mas não apenas pelos comportamentos de risco geralmente associados a adolescentes. Por comporem a maior parte da população economicamente ativa, jovens e adultos muitas vezes são submetidos a jornadas de trabalho em contato direto com outras pessoas.

Com a imunidade maior do que a dos idosos, os jovens e adultos também tendem a permanecer mais tempo em leitos hospitalares. Em alguns casos, pacientes que desenvolvem formas graves da covid-19 precisam ser intubados mais de uma vez.

“É comum observarmos uma fraqueza na musculatura dos pacientes e isso, muitas vezes, leva a uma nova intubação. A Covid-19 é uma doença muito agressiva, que exige muito dos pacientes, da família e da equipe de saúde”, explica o intensivista do Hospital Marcelino Champagnat, Jarbas da Silva Motta Junior.

METALÚRGICO SE RECUPERA APÓS DUAS INTUBAÇÕES

O metalúrgico Ciro da Silva Porto, 41 anos, finaliza a recuperação em casa após ser submetido a duas intubações entre os dias 11 de março e 24 de abril. No período, ele perdeu 15 kg de massa muscular e agora realiza sessões de fisioterapia para recuperar a capacidade pulmonar.

Os primeiros sintomas surgiram no dia 6 de março. Menos de uma semana depois, Ciro teve uma piora na saturação e foi intubado com 50% dos pulmões comprometidos. Com a melhora progressiva do estado de saúde, a extubação aconteceu 11 dias depois. No entanto, menos de 48 depois, precisou voltar para a ventilação mecânica e passou por uma traqueostomia.

A esposa do metalúrgico, Deisi Godói conta que a segunda intubação aconteceu no mesmo dia em que havia perdido a mãe, vítima da covid-19. “No início, a gente acha que tudo vai passar logo. Os amigos falam: ‘sete dias e ele está em casa’. Depois são 10 dias, 15 e o tempo não para de aumentar. Minha mãe também foi hospitalizada com coronavírus na mesma época e eu e meus filhos tivemos resultados positivos. Enquanto eles travavam uma luta no hospital, eu fiquei trancada com os meninos e precisando ser forte pelas crianças, apesar da angústia diária”, conta.

COVID-19 EM ADULTOS

Segundo o Painel de Monitoramento da Covid-19 em Curitiba, os adultos com idades entre 40 e 49 anos respondem por 19% do total de infectados. Ampliando a faixa etária para o grupo entre 20 e 49 anos, o grupo totaliza mais de 60% das contaminações.

A taxa de internação dos adultos entre 40 e 49 anos é de 7,25%.

Escreva um comentário