Vinicius Cordeiro – Paraná Portal
Foto: Kevin David/A7 Press/Folhapress

A Prefeitura de Curitiba divulgou que vai receber 32.760 doses da vacina da Pfizer na semana que vem. O lote é referente à primeira remessa desse imunizante enviada pelo Ministério da Saúde. Até agora, a pasta federal distribui a CoronaVac e a vacina de Oxford/AstraZeneca.

“Sabemos que é uma vacina mais complexa, mas temos que fazer uso de todos os imunizantes disponíveis para acelerar a proteção da população. Curitiba está preparada para receber e aplicar, seja qual for a vacina que o Ministério disponibilize”, diz Márcia.

A previsão do governo federal distribua metade da carga de 1 milhão de doses ainda neste final de semana – o primeiro lote chega ao Brasil nesta sexta-feira (30). A outra parte fica como reserva técnica para a aplicação da segunda dose.

Mais cedo, o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, havia afirmado que o Paraná iria receber algo em torno entre 20 e 25 mil doses da vacina da Pfizer. No entanto, o desencontro dos números é justificado com uma nova atualização recebida pela Prefeitura de Curitiba.

O cálculo do secretário foi feito com uma estimativa do percentual (máximo de 5% do total de número de doses. Além disso, Beto Preto ressaltou que o Paraná segue as diretrizes do PNI (Programa Nacional de Imunização) e as recomendações do Ministério da Saúde. Portanto, a chegada dos novos lotes da vacina da Pfizer devem ser destinadas aos outros municípios no futuro.

“Essa vacina vem somar. De acordo com que eles vão mandando, vamos fazer a distribuição. A Pfizer tem essas especificidades técnicas maiores e, portanto, vão necessitar um aporte maior de equipamentos e freezers de alta performance para manter a temperatura muito baixa”, completou.

VACINA DA PFIZER EXIGE ESPECIFICIDADES; CURITIBA PREPARA OS PROFISSIONAIS

Nesta quinta-feira (29), os profissionais da Saúde estão passando por uma capacitação on-line organizada pelo PNI para orientações de preparação e aplicação da nova vacina.

A vacina da Pfizer exige armazenamento inicial de -70ºC e deve passar por um delicado processo de descongelamento para o uso final. Outra diferença desse imunizante é que após descongelado ele precisada ser diluído em solução injetável de cloreto de sódio 9 mg/ml (0,9%). Após a diluição a vacina deve ser utilizada em no máximo seis horas.

Para a aplicação também são necessárias seringas e agulhas específicas, as chamadas seringas de alta precisão. Além da vacina, o Ministério vai entregar diluente, seringa e agulha para a aplicação.

Por fim, vale lembrar que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) já concedeu o registro definitivo para o uso desse imunizante.

HUÇULAK COMENTOU A CENTRALIZAÇÃO DA VACINAÇÃO 

Em entrevista ao Paraná Portal na semana passada, a secretária Márcia Huçulak havia projetado o recebimento das vacinas da Pfizer. Segundo ela, esses imunizantes vão ficar concentrados no Parque Barigui porque o pavilhão construído pela prefeitura conta com uma sala adequada para a preparação do uso da vacina.

Atualmente, Curitiba suspendeu a aplicação de primeiras doses. Diante disso, os outros 20 pontos de vacinação foram fechados.

Escreva um comentário