Angelo Sfair – BandNews FM Curitiba
Foto: Divulgação/BPMOA

A construção de áreas de escape e as melhorias no trecho de serra da BR-376 reduziram em mais de 40% o número de óbitos na região da Curva da Santa nos últimos 10 anos. Foi nessa região que um ônibus de turismo vindo do Pará saiu da pista e tombou, ontem (25), causando a morte de 19 pessoas e deixando mais de 30 feridos. Apesar da gravidade do acidente registrado nesta segunda-feira, a concessionária responsável pelo trecho destaca a redução da mortalidade nos últimos anos.

O gerente de operações da Arteris Litoral Sul, José Júnior, lembra que, em 2020, a BR-376 litoral passou sete meses sem registrar nenhum acidente fatal. Segundo ele, isso é resultado dos investimentos em segurança feitos na última década.

“Dez anos após esse investimento inicial, nós já reduzimos a fatalidade desse local em 42,3%. A gente consegue já ter um cenário diferente. Quando você vê os últimos anos, que você tem uma implantação de 30 quilômetros de iluminação, melhoria significativa de pavimento e esforço na sinalização, viemos com uma redução, ano a ano, pegando na casa de 80%”, diz ele.

Apesar disso, o gerente de operações reconhece que o trecho de serra do mar da BR-376 no Paraná é desafiador para os motoristas, sobretudo para aqueles que conduzem veículos pesados. São muitas curvas em sequência em um trajeto com descida acentuada. Por isso, ele reforça a orientação para que os motoristas dirijam com atenção, respeitem a sinalização e façam a manutenção preventiva:

“Por ser uma Serra muito acentuada, exige muito, principalmente dos veículos pesados. E as condições mecânicas, físicas dos condutores, requerem mais do que em outros trechos. Tem curvas seguidas, então atenção, descanso, manutenção… Tudo isso compõe esse tráfego que torna a rodovia mais segura, ou não”, completa.

Sobre o acidente desta segunda-feira, José Júnior destacou a capacidade dos órgãos de segurança pública e de resgate em trabalharem de forma conjunta.

Ele também agradeceu a prontidão das corporações paranaenses e catarinenses, que se uniram para prestar rápido atendimento e salvar as vidas possíveis. Os sobreviventes foram encaminhados a hospitais de Curitiba (PR), Garuva (SC), Joinville (SC) e São José (SC). Viaturas e helicópteros das polícias estaduais e federal também prestaram socorro às vítimas.

Escreva um comentário