Destaques

Donos de bares e restaurantes denunciam onda de furtos em Curitiba

Donos de bares e restaurantes denunciam onda de furtos em Curitiba. O caso mais recente foi registrado em um bar localizado na Rua Mateus Leme, no bairro Centro Cívico. Segundo os proprietários, os ladrões roubaram a fiação elétrica externa, deixando o local completamente sem luz. As informações são do Paraná Portal.

De acordo com o presidente do Sindicato de Bares e Casas Noturnas (Sindiabrabar-PR), Fábio Aguayo, somente nesta semana seis empresários relataram casos parecidos pedindo providências. “Já que os empresários estão desmotivados, é função da nossa entidade fazer esse grito de alerta, pois é raro que seis empresários, simultaneamente, peçam socorro juntos. Essa onda de assaltos está no centro e em polos gastronômicos, até de uma forma vergonhosa, do jeito que está”, fala Aguayo.

O presidente do sindicato conta ainda que um dos casos chamou a atenção. Um empresário conduziu a investigação por conta própria e chegou a identificar os bandidos, porém, mesmo tendo apresentado as informações às autoridades, ainda não teve retorno da polícia. “Tem o caso de um empresário que foi vítima de assalto, desconfio de determinadas pessoas, fez a investigação, buscou nas redes sociais, encontrou quem cometeu o assalto, colocou todas as informações em um pendrive e levou até a delegacia. Até agora ele não soube de nenhuma novidade sobre o caso”, revela.

O sindicato defende o uso da inteligência nas ações dos órgãos de segurança e a implantação do sistema de identificação de moradores de rua com biometria e sistema de reconhecimento facial, a exemplo de outras cidades.

Dessa forma, seria criado um banco de dados que facilitaria as investigações. “Nós estamos sugerindo na cidade de Curitiba, cadastro biométrico e  facial, a exemplo do que é feito em outras capitais. Pela primeira vez, a capital que sempre foi tão inovadora, não está na frente.  Se tem um bandido por perto, vai detectar. Se há prevenção para incêndios, depois da Boate Kiss, por que não há um sistema de prevenção para assaltos?”, questiona.

A orientação é para que os proprietários registrem sempre o Boletim de Ocorrência, para que a polícia possa investigar os casos e aumentar o efetivo nas regiões mais críticas.

Foto: Fábio Aguayo/Sindiabrabar

Escreva um comentário