Redação – Paraná Portal
Foto: Dálie Felberg/ALEP

O Governo do Paraná entregou nesta segunda-feira (4), o Projeto de Lei Orçamentária Anual para a Assembleia Legislativa e prevê um orçamento de R$ 54,6 bilhões para 2022.

Em comparação com o orçamento de 2021, o Governo do Paraná previu um aumento de 9%, em especial pela alta na arrecadação de tributos como ICMS e IPVA.

Esse aumento da receita se dá em função da inflação. Mas é importante lembrar que nosso déficit do Orçamento deve chegar a R$ 2,4 bilhões, em função sobretudo da Saúde, com gastos ainda puxados pela pandemia e seus reflexos, e que vão permanecer nos próximos anos”, explicou Guto Silva, chefe da Casa Civil.

Ao mesmo tempo que as receitas devem crescer, as despesas para os cofres públicos do Estado também vão subir para 2022. A estimativa do Governo do Paraná aponta acréscimo de 22% de gastos, muito devido ao remanejamento de pagamentos feitos durante o auge da pandemia.

“A lei orçamentária é um planejamento futuro de receitas e despesas e fazer um planejamento futuro num momento econômico tão instável é sempre um exercício muito complexo. Temos um incremento de receita em função da inflação e estamos reequilibrando os gastos na área de Saúde com a redução dos internamentos. Mas a previsão ainda é gastar R$ 1,5 bilhão a mais na emergência de Saúde”, prosseguiu Guto Silva.

Por outro lado, o Governo do Paraná conseguiu reduzir em cerca de R$ 1,1 bilhão o pagamento de juros e precatórios, fato que irá ajudar a dar mais folga ao orçamento estadual.

“Em 2022 vamos ter um processo de baixa recuperação econômica, sem grandes incrementos de receita. E vamos ter as cirurgias eletivas que não foram realizadas em função da pandemia e agora voltam a ser feitas. É um gasto bem alto na área da Saúde e que precisará ser comportado pelo Estado”, apontou secretário estadual da Fazenda, Renê Garcia Junior.

Com o Projeto de Lei Orçamentária Anual na Assembleia Legislativa, a expectativa agora é na avaliação dos deputados estaduais sobre o orçamento.

Segundo o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano (PSDB), a expectativa é que até 15 de dezembro a proposta seja aprovada pelos parlamentares e seja retornada para o Governo do Paraná.

Escreva um comentário