Destaques

Hamilton é beneficiado por punição a Vettel e vence o GP do Canadá

Folhapress

Lewis Hamilton venceu neste domingo (10) o GP do Canadá de F-1 sem ter cruzado a linha de chegada à frente. O britânico chegou em segundo lugar, próximo de Sebastian Vettel. Mas por causa de uma punição dada ao alemão, Hamilton conquistou o primeiro lugar. Vettel foi o segundo e Charles Leclerc, também da Ferrari, o terceiro.

Valtteri Bottas (Mercedes) foi o quarto, à frente de Max Verstappen (Red Bull) e Daniel Ricciardo (Renault). Nico Hulkenberg (Renault), Pierre Gasly (Red Bull), Lance Stroll (Racing Point) e Daniil Kvyat (Toro Rosso) completaram as dez primeiras colocações.

Hamilton foi beneficiado a 12 voltas do fim, quando os comissários acrescentaram 5 segundos ao tempo final de Vettel. Na volta 48 (de um total de 70), o alemão escapou da pista e voltou fechando a porta para Hamilton, movimento que causou a punição.

Vettel acabou cruzando a linha de chegada em primeiro, mas pouco tempo à frente de Hamilton. Desta forma, o britânico acabou promovido à primeira colocação, mantendo a série de triunfos da Mercedes: nas sete primeiras provas da temporada 2019, a equipe alemã venceu todas. Hamilton subiu ao degrau mais alto do pódio no Bahrein, na China, na Espanha, em Mônaco e no Canadá, enquanto Valtteri Bottas foi o vitorioso na Austrália e no Azerbaijão.

A Ferrari chega assim a dez corridas sem vencer, o que não consegue desde o primeiro lugar de Kimi Raikkonen no GP dos EUA de 2018. Vettel, cuja última vitória veio na corrida da Bélgica do ano passado, chegou a sua 15ª prova sem vencer.

PROVA

A prova teve uma largada ortodoxa: Sebastian Vettel manteve a ponta, à frente de Lewis Hamilton, Charles Leclerc, Daniel Ricciardo e Pierre Gasly. Sexto colocado no grid, Valtteri Bottas foi superado por Nico Hulkenberg. Mais atrás, Alexander Albon foi tocado pela Alfa Romeo de Antonio Giovinazzi e teve o bico quebrado, sendo obrigado a parar nos boxes para a troca da peça.

No pelotão intermediário, Lando Norris (oitavo) e Max Verstappen (nono) disputavam posições nas primeiras voltas. O britânico da McLaren, porém, durou pouco: na nona volta, a roda traseira direita sofreu uma avaria, forçando o abandono da prova.

Entre os líderes, Sebastian Vettel parou na volta 27 para trocar pneus, voltando em terceiro – Hamilton assumiu a ponta, à frente de Leclerc. O britânico da Mercedes parou duas voltas depois, voltando em terceiro, atrás das Ferrari – agora, com o monegasco em primeiro. Leclerc, por sua vez, parou na 33 e voltou em quarto, devolvendo a Vettel à ponta e Hamilton à segunda colocação. Max Verstappen assumiu o terceiro posto.

Leclerc retomaria a terceira posição pouco depois, mas a equipe italiana não estaria tranquila na prova. Na volta 48, quando fazia a chicane entre as curvas 3 e 4, Vettel perdeu a traseira e passou pela grama, quase tocando o muro; Hamilton vinha logo atrás, se aproximou, e os dois escaparam por pouco de uma colisão. O alemão, porém, fechou o espaço à direita e evitou a ultrapassagem do rival.

Só que os comissários investigaram a manobra e decidiram punir Vettel com um acréscimo de 5 segundos, o que acabou dando novo ritmo para o fim da prova. Com 12 voltas para a bandeirada, o alemão tinha uma vantagem de 2s7 para o britânico, que passou a diminuir a diferença.

Hamilton não conseguiu superar Vettel na pista, mas chegou a uma diferença suficiente para tomar a primeira colocação nos tempos. Na transmissão oficial, Vettel ainda foi anunciado vencedor. Pouco depois, nas redes sociais, a Fórmula 1 deu a vitória a Hamilton.

Escreva um comentário