Categoria

Comentaristas

Categoria

Maltaria no Paraná

Uma parceria entre cooperativas paranaenses deve levar à construção de uma maltaria na região dos Campos Gerais do estado, com previsão de inauguração para 2023. O anúncio do projeto foi feito na última segunda-feira, 5, pelas cooperativas Agrária (Guarapuava), Bom Jesus (Lapa), Coopagrícola (Ponta Grossa) e a Unium, marca institucional das indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal. Estima-se que, para realização da obra, aproximadamente R$ 1,5 bilhão devem ser investidos. Ainda sem um local exato para ser construída, a previsão é de que a fábrica tenha uma produção de cerca de 240 mil toneladas de malte anualmente, volume que hoje corresponde a 15% do mercado nacional. Além disso, o empreendimento deve gerar mais de mil empregos diretos e indiretos.

Corredor Leste de Paranaguá

O volume de soja exportado pelo Corredor de Exportação Leste do Porto de Paranaguá (Corex) aumentou quase 232% nos dois últimos meses. Em fevereiro foi de 494.899 toneladas e em março chegou a 1.641.938 toneladas. Em janeiro, foram exportadas apenas 30 mil toneladas de soja. Foram exportadas 2.166.837 toneladas do granel no primeiro trimestre pelo complexo que integra os silos públicos e nove terminais privados. Somando os demais produtos escoados pelo Corex (farelo de soja, trigo e milho), de janeiro a março, já são 3.652.860 toneladas de produtos exportados. Nesse total, o aumento registrado de fevereiro para o último mês de março foi de cerca de 138%.

Milho paranaense

O atraso nas chuvas, no final ano passado, que culminou no atraso do plantio da soja, produziu um outro efeito: uma onda generalizada de semeadura de alto risco do mais importante insumo para a alimentação de bovinos em confinamento e semiconfinamento no País, o milho. A situação mais grave aconteceu na porção oeste do Paraná. Por lá, 81% das lavouras do cereal foram semeadas no mês de março, período considerado de alto risco para a região. Na porção norte paranaense, 62% da plantação está na mesma faixa de risco, assim como em Goiás, com 61. Em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, 38% e 34% de suas lavouras de milho, respectivamente, apresentam alto risco. Os dados são da consultoria Agroconsult.

Milho de fora

A indústria de carnes brasileira recorreu ao Ministério da Agricultura pedindo apoio ao seu pedido de isenção da tarifa de importação de milho, em um momento de alta nos preços do cereal. As empresas reivindicaram ainda a criação de mecanismos, como registros de exportação, que deem mais previsibilidade ao mercado. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, essas medidas poderiam ajudar o setor caso haja algum problema com a segunda safra de milho do Brasil que, segundo analistas, teve boa parte da área plantada em uma janela climática de alto risco. O temor é que os custos com o insumo mais utilizado na produção da ração, já considerados altos, aumentem ainda mais, caso haja uma frustração de safra.

Volta do Pronampe

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) encaminhou um projeto de lei ao Congresso Nacional que visa flexibilizar as regras da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2021. O projeto deve ser publicado no DOU (Diário Oficial da União) amanhã. O objetivo do governo é que, com isso, seja permitida a execução de projetos com duração no ano corrente. Com isso, será possível reabrir o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) e o BEm (Benefício Emergencial), pago aos trabalhadores para compensar parte da perda salarial nos acordos. Os programas, criados no ano passado, fazem parte das medidas econômicas de combate ao covid-19. O PL deverá ser votado às pressas no Congresso Nacional, porque o setor empresarial tem pressionado o governo a acelerar a medida.

Oferta de microcrédito

Um acordo de cooperação firmado entre a Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho e a Fomento Paraná vai permitir a oferta de microcrédito pelas Agências do Trabalhador. Assinada pelo secretário Ney Leprevost e o diretor-presidente da instituição financeira do Governo do Estado, Heraldo Neves, na última terça-feira, 6, a parceria viabilizará a contratação de linhas de microcrédito para pequenos negócios com o Banco do Empreendedor e Banco da Mulher Paranaense. A operação começará em 26 de abril em Curitiba e é uma das ações do Programa Recomeça Paraná, que tem como objetivo ampliar a geração de emprego e renda, com apoio das Agências do Trabalhador, para fortalecer a retomada econômica no Paraná. A ideia é transformar as Agências do Trabalhador em Agências do Trabalho e Empreendedorismo, com foco também no perfil empreendedor.

Veículos em março

Num mês marcado por paradas de linhas causadas pelo agravamento da pandemia, a produção de veículos subiu 1,7% na passagem de fevereiro para março. Entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus, 200,3 mil unidades saíram das linhas de montagem no mês passado, 5,5% acima do mesmo período de 2020, conforme balanço na última quarta-feira, 7, pela Anfavea, a entidade que representa as montadoras. O resultado, embora positivo, foi prejudicado pelo agravamento da crise sanitária, que levou a maioria das montadoras a suspender a produção na semana passada, além da falta de peças nas fábricas. No acumulado do primeiro trimestre, as montadoras produziram 597,8 mil veículos, alta de 2% frente aos três primeiros meses do ano passado.

Economia criativa

O setor da economia criativa perdeu 458 mil postos de trabalho na comparação do último trimestre de 2020 com o mesmo período do ano anterior. Os dados divulgados pelo Observatório Itaú Cultural indicam uma retração de 6,4% nos empregos especializados na área da cultura. O levantamento leva em consideração funções em diversas áreas que dependem da criatividade para serem desempenhadas, não sendo uniformizadas ou passíveis de serem substituídas por máquinas. Eram 7,1 milhão de pessoas trabalhando nesse tipo de função nos últimos três meses de 2019. Número que foi reduzido para 6,6 milhões no quarto trimestre de 2020. As áreas mais afetadas foram atividades artesanais, artes cênicas e visuais, cinema, música, fotografia, rádio e TV e museus e patrimônio. Nesses segmentos, a retração chegou a 18%.

Vendas da Páscoa

O Indicador da Serasa Experian de Atividade do Comércio – Páscoa mostra que as vendas nacionais no varejo físico cresceram 1,9% durante a semana santa, de 29 de março a 4 de abril. A ligeira alta acontece em relação ao índice negativo registrado ano passado (6 a 12 de abril de 2020), que chegou a 23,8%, o pior resultado de toda a série histórica, iniciada em 2007. As celebrações da semana santa e do domingo de Páscoa ocorreram pelo segundo ano consecutivo com medidas de restrição em todo país para evitar mais contaminações pelo covid-19. De acordo com índice, no fim de semana de Páscoa, levando em conta apenas os dias de 2 a 4 de abril de 2021, houve queda de 9,5%, com relação ao período de 10 a 12 de abril de 2020.

Plástico em debate

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa analisou nesta semana um projeto que obriga os estabelecimentos comerciais a substituírem o material empregado nas embalagens de canudos, guardanapos e outros materiais.

O projeto determina a substituição de plástico oxibiodegradável por plástico biodegradável. Por iniciativa do deputado Homero Marchese (PROS), o projeto será baixado em diligência para que entidades do comércio e da indústria, como Fiep, Faciap e Fecomércio analisem as consequências da medida.