Categoria

Policial

Categoria

Redação – Paraná Portal
Foto: Reprodução/Facebook

Um grupo de estudantes de um colégio estadual de Francisco Beltrão, na região sudoeste do estado, foi parar na delegacia na manhã desta quinta-feira (25) após postagens nas redes sociais em tom de ameaça de ataque e exposição de professores. A Polícia Civil investiga o caso.

O caso aconteceu no Colégio Estadual Dr. Eduardo Virmond Suplicy, e as ameaças foram publicadas nesta quarta-feira (24) em um perfil falso no Instagram.

As imagens postadas na página mostram um aluno ateando fogo em uma carteira da instituição. Em outro vídeo, o mesmo aluno consegue apagar as chamas dentro da sala de aula.

Outras postagens no perfil fazem menção ao uso de drogas e um “massacre”, com a postagem de munições de arma de fogo.

svg%3E
As mensagens em tom de ameaça foram postadas em um perfil falso no Instagram. Foto: Reprodução/Instagram

A página no Instagram também divulgou imagens e dados pessoais de professores que atuam na instituição.

Ao tomar conhecimento do conteúdo com conotação de violência, a direção do colégio acionou a Polícia Militar e a Polícia Civil. Ao menos quatro estudantes foram encaminhados à delegacia para prestarem esclarecimentos, e tiveram seus celulares apreendidos.

Por meio de nota, o delegado-chefe de Francisco Beltrão, Ricardo Moraes Faria dos Santos, informou que a página em menção ao colégio estadual já vinha sendo investigada desde o último dia 17 e que, apesar do tom ameaçador, efetivamente nenhum aluno ou funcionário foi colocado em risco. A polícia trabalha para identificar os responsáveis pelas postagens.

“Salienta-se que tanto os Órgãos de Segurança quanto da Educação estão cientes e adotando as providências cabíveis ao caso, cabendo esclarecer à população que os alunos e servidores do colégio não foram colocados sob nenhum risco efetivo e concreto desde o início das postagens, prosseguindo a investigação para colher mais detalhes visando esclarecer os fatos”, disse o delegado.

O Núcleo Regional de Educação de Francisco Beltrão ressaltou, também por meio de nota, que presta todo o suporte à comunidade escolar e colabora na investigação pelas autoridades.