Categoria

Policial

Categoria
Redação – Paraná Portal
Foto: Arquivo/Isabella Mayer/SMCS

A Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu) fez parar as atividades de distribuidoras de bebidas, tabacaria, bar e lanchonetes na noite de sexta-feira (19).  A força-tarefa das equipes da prefeitura e do governo do estado vistoriaram estabelecimentos nos bairros Batel, Mercês, São Braz, CIC e Campo do Santana. O objetivo foi coibir situações de desobediência às regras de combate ao avanço da covid-19. As informações são da prefeitura de Curitiba.

A Lei 15.799/2021 e o novo Decreto 600/2021, entre outras medidas, restringem a circulação de pessoas no período das 20h às 5h, em espaços e vias públicas, a não ser em casos de atividades ou serviços essenciais e de urgência. Essas normas mantêm em funcionamento apenas atividades essenciais, como supermercados, padarias e postos de gasolina. E mesmo essas atividades, têm horários restritos e exigência de cumprimento do Protocolo de Responsabilidade Sanitária e Social.

Seis autos de infração aplicados durante a fiscalização

Na fiscalização desta sexta à noite, foram expedidos seis autos de infração. Somados, eles  chegam a R$ 65 mil. Na CIC, as equipes flagraram uma distribuidora de bebidas e tabacaria em atividade fora do horário e desrespeitando a suspensão da atividade. As infrações foram punidas com a paralisação das atividades e dois autos de infração, no valor de R$10 mil cada.

Pelos mesmos motivos a Aifu interditou e autuou em R$ 20 mil outra distribuidora de bebidas e tabacaria no São Braz. Nas Mercês, um bar foi autuado em R$5 mil. E no Batel, uma tabacaria foi paralisada e autuada em R$10 mil.

Houve ainda um deslocamento das equipes também a um endereço no Campo de Santana para verificar denúncia apresentada pela população de uma festa clandestina. Mas não havia atividade no momento da vistoria.

No período de segunda-feira (15) à madrugada de sábado (19) foram feitas 200 vistorias. Dessas, 61 terminaram com a interdição dos espaços e 57 autos de infração lavrados, somando R$ 370 mil em multas.

Desde o início da vigência da Lei 15.799/2021, em 5 de janeiro, a fiscalização já vistoriou 1.073 estabelecimentos, dos quais 305 tiveram as atividades paralisadas e 622 autos de infração foram lavrados, somando R$ 7.492.850 em multas.