Jorge de Sousa – Paraná Portal
Foto: Divulgação/OAB-PR

O TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região solicitou a abertura de uma Comissão de Heteroidentificação  para averiguar uma possível fraude na última eleição da OAB-PR (Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Paraná).

A decisão foi emitida nesta quinta-feira (20), pelo desembargador federal Rogério Favreto.

Dessa forma, o Conselho Federal da OAB tem até 30 dias para instaurar a comissão e analisar se houve fraude no processo para decidir pela impugnação ou não da eleição.

A ação judicial que resultou na decisão foi ingressada pelo advogado Marcelo Trindade de Almeida, um dos candidatos derrotados no pleito.

Almeida aponta que a chapa vencedora, encabeçada pela advogada Marilena Winter, não cumpria o edital eleitoral de contar com 30% da composição mínima de advogados de etnia preta ou parda e por isso supostamente teria falsificado a autodeclaração fenotípica de alguns membros.

A denúncia aponta que 12 advogados da chapa vencedora teriam mentido na autodeclaração e que a foto dos candidatos no site da OAB-PR comprova o delito.

A decisão do desembargador federal Rogério Favreto dispensa a cassação imediata de Marilena Winter e o restante da diretoria empossada no início de janeiro, deixando essa decisão para o Conselho Federal da OAB após as investigações.

Procurada pela reportagem, a diretoria da OAB-PR não retornou aos questionamentos até o fechamento dessa matéria.

O advogado Marcelo Trindade de Almeida também não respondeu à reportagem até o fechamento.

Escreva um comentário