Cidades

Redução da tarifa de energia elétrica em Campo Largo é de até 14,04%

A Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL divulgou, nesta terça-feira (25) o resultado da revisão tarifária da Companhia Campolarguense de Energia – Cocel, que obteve a maior redução entre todas as concessionárias do país em 2019.

O reajuste médio (levando em conta as tarifas de consumidores de alta e baixa tensão) será de – 6,6%. O resultado fica 11,26% abaixo da inflação dos últimos doze meses. Para os consumidores com fornecimento em alta tensão, a redução chega a 14,04% dependendo do tipo de contrato. Para os consumidores residenciais a redução na conta é de 7,02%.

O prefeito Marcelo Puppi convocou a Imprensa para uma coletiva, na tarde desta terça-feira, para comunicar o resultado do intenso trabalho que vem sendo desenvolvido, na Administração Municipal de Campo Largo e, particularmente, na Cocel. “A migração para o Mercado Livre e mudanças na gestão foram decisivos para o reajuste negativo em 2019”, disse  ele. Redução já A partir de 29/06, a tarifa de energia dos consumidores residenciais da Cocel ficarão 7,02% menores.

Para definir as tarifas, a ANEEL leva em consideração os custos gerenciáveis e os custos não gerenciáveis por cada concessionária. Em 2018 a Cocel já teve o menor reajuste do Paraná, e as tarifas seriam ainda menores se dependesse apenas dos custos gerenciáveis pela Companhia. O preço do dólar (que interfere no preço da energia comprada de Itaipu) e o custo do acionamento de termelétricas contribuíram para que a redução não fosse ainda maior.

O presidente da Cocel, José Arlindo Lemos Chemin, ressalta que apenas uma pequena parte da tarifa de energia é composta por valores gerenciáveis pelas concessionárias – impostos, encargos, tributos e custos regulados pela ANEEL compõem a maior parte. “Assumimos o compromisso de buscar melhores tarifas para os consumidores e fizemos tudo o que esteve ao nosso alcance para viabilizar esta redução inédita. O ganho real para o consumidor é enorme, chega a 10% se levarmos em conta a inflação. Muitas mudanças precisaram ser realizadas, mas hoje a Cocel está no mesmo patamar de gestão das grandes concessionárias” – completa Chemin. Efraim Pereira da Cruz, diretor da ANEEL, ressaltou que “a Cocel fez o trabalho de casa” e elogiou a decisão dos gestores em mudar a forma de compra de energia. Cruz destacou que é um grande passo para a concessionária, e que os resultados positivos serão percebidos por seus consumidores.

Conforme a análise técnica da ANEEL, se a Cocel não tivesse migrado para o mercado livre o reajuste teria sido 3,4% positivo. A migração para o mercado livre de energia foi decisiva para a redução nas tarifas. Em 2018 a Cocel participou de leilão para compra de energia e encerrou o contrato com a Copel Distribuição – que foi a supridora da Companhia por 50 anos.

Esta mudança é considerada um marco na gestão da Companhia, que vem se destacando no cenário nacional pela qualidade do serviço prestado. “Estamos trabalhando para alcançar a máxima eficiência no trabalho realizado, reduzindo custos e buscando redução da tarifa para os consumidores” declara Carlos Conrado Krzyzanovski, diretor técnico da Cocel. Krzyzanovski, que é funcionário da Companhia desde 1996, lembra que a migração para o mercado livre já vinha sendo discutida na Cocel há muitos anos, e que a mudança foi concretizada após serem tomadas todas as precauções para garantir que traria benefícios para os consumidores.

Menores reajustes e premiações

Em 2018 a Cocel teve o menor reajuste tarifário do Paraná. Em 2019, o resultado foi ainda mais significativo: menor reajuste entre todas as concessionárias do país. A Companhia Campolarguense vem obtendo excelentes resultados também nos rankings promovidos pela agência reguladora, a ANEEL. Em 2018 recebeu dois Prêmios IASC (Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor) – melhor concessionária de seu porte e a que mais cresceu no país. Em maio de 2019 foi a vez de receber o “Prêmio ANEEL de Ouvidoria”, sendo reconhecida como uma das três melhores Ouvidorias das concessionárias de mesmo porte no país.

Escreva um comentário